Trabalhadores protestam no Riacho Grande e Anchieta para

Jornada de Lutas no Riacho Grande demonstra que os servidores estão mobilizados e se preparam para a greve. Atividade travou o trânsito na Rodovia Anchieta, sentido litoral

No começo da manhã de hoje, 28 de abril, os trabalhadores públicos do Complexo Riacho Grande foram às ruas e manifestaram a indignação com a falta de bom senso da Administração que não abriu o diálogo para discutir a pauta de reivindicações da Campanha Salarial e desrespeitou a data-base da categoria, que foi no mês de março.

A paralisação aconteceu no acesso ao bairro Riacho Grande, o que resultou em filas imensas de carros na Rodovia Anchieta, sentido litoral. "Nesta semana, hoje é o segundo dia dessa Jornada de Lutas. Amanhã, 29 de abril, às 9h estaremos na Câmara e às 17h, na Estrada dos Alvarengas. Fomos desrespeitados pelo Governo Municipal que se recusou a discutir a nossa data-base, que se recusou a dialogar as nossas reivindicações. Quando a Administração não valoriza os trabalhadores públicos, nós não temos outra alternativa a não ser irmos às ruas. São os trabalhadores públicos que educam os seus filhos, que cuidam da sua saúde, da sua segurança, da mobilidade urbana. E, infelizmente, o prefeito não nos respeitou, então estamos neste protesto por causa da falta de responsabilidade da Administração, porque se ela cumprir o que está na Lei Orçamentária de 2015, que foi destinado para gasto com pessoal, ela atende às nossas reivindicações, com reposição salarial, aumento real, abono, Cartão Servidor, vale- refeição, por exemplo!", conta Giovani Chagas, Presidente do SINDSERV. 

Está programada para a próxima semana uma Assembleia (o dia está sendo definido), possivelmente na sede do Sindicato. "Se até o dia da Assembleia a Administração não tiver apresentado nada, vamos propor greve geral. Estamos em estado de greve, porque não aguentamos mais esse descaso. É inadmissível saber que a Administração destinou recursos para atender a nossa pauta de reivindicações e não cumpre, por falta de vontade política, o que está na lei. Exigimos a negociação imediata da nossa Campanha Salarial", afirma Cássia Tochetto, Secretária Geral da entidade. 

Se hoje o trânsito está parado, a culpa é do prefeito, que não quis discutir os nossos direitos. "Todos sabemos muito bem como a conta de luz aumentou, o quanto aumentaram os alimentos, o quanto aumentou o combustível, e o servidor não consegue mais garantir que sua família seja sustentada, não tivemos o direito de ter a nossa pauta de reivindicações discutida, faltou bom senso do prefeito. Um governo que tem orçamento de quase R$ 5 bilhões e tem condições de atender às nossas reivindicações, se recusa a discutir. Não tem condições, esses trabalhadores, que fazem a cidade funcionar, não aguentam mais. Nossa campanha era para ter sido discutida no mês de março e os munícipes precisam saber, por isso estamos aqui conversando com vocês, entregando essa Carta Aberta", finaliza o presidente.

Nós, servidores, temos o compromisso de discutir com os vereadores, chamar a responsabilidade deles, que foram eleitos para representar a população, vamos pedir a eles que exijam do prefeito que ele venha negociar.

E não se esqueça amanhã (29), às 9h, na Câmara Municipal, vamos cobrar também dos vereadores! #vempralutavem

Negocia prefeito!

Clique aqui e veja as fotos da atividade.

Leia também:

Calendário da Jornada de Lutas

Categoria vai à Câmara expressar indignação com descaso!

Trabalhadores do Complexo Taboão participam da Jornada de Lutas

Pesquise