Greve na mídia: Diário Regional

Servidores em greve protestam no Paço de São Bernardo

Os servidores públicos de São Bernardo deram início às 6h de ontem (13) à greve geral da categoria, em busca de 12,54% de reajuste salarial. Pela manhã, mais de 4 mil trabalhadores concentraram-se na Praça Filomena, região central da cidade, para protestar contra a administração do prefeito Luiz Marinho (PT), segundo números do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais e Autárquicos de São Bernardo (Sindserv).

Por volta das 9h, o grupo caminhou até o Paço, paralisando parcialmente a circulação de veículos nos arredores da Praça Samuel Sabatini. Parte dos manifestantes continuou os protestos pela avenida Lucas Nogueira Garcez, enquanto os demais se encaminharam à Câmara Municipal em busca de apoio de vereadores.

Sob o coro "Marinho, a culpa é sua. Trabalhador na rua", o presidente do Sindserv, Giovani Chagas, usou a tribuna para pedir que a Câmara suspenda a aprovação de projetos durante a greve dos trabalhadores.

"A prefeitura encaminhou ofício agendando reunião apenas para o dia 28 de maio, ou seja, a administração está duvidando do poder de organização e mobilização dos trabalhadores. Está duvidando de nossa capacidade de enfrentamento e esse é o momento de darmos uma resposta ao governo", afirmou Chagas. Nova concentração de manifestantes foi realizada às 13h30, na Praça Filomena, de onde saíram ônibus para diversas regiões da cidade.

São Bernardo é a única cidade do ABC que ainda não apresentou uma proposta de reajuste aos trabalhadores municipais. Em Mauá, a administração concedeu aumento de 8,13% aos servidores. Em São Caetano, os funcionários municipais terão reajuste de 9,15% – o maior da região – enquanto os servidores de Diadema e Rio Grande da Serra receberão acréscimo nos salários de 7,89% e 9%, respectivamente. Em Santo André, a prefeitura chegou a propor reajuste de 8,21%, a ser pago em três parcelas, mas a categoria rejeitou a oferta.

Em nota, a Prefeitura de São Bernardo afirmou que a greve "estimulada" pelo Sindserv é injustificável, uma vez que as negociações relativas ao reajuste salarial estão em andamento. "Várias reuniões já foram realizadas pela Mesa Permanente de Negociação e uma próxima, inclusive, está agendada para dia 28 de maio. Esperamos que os servidores que aderiram ao movimento retomem seus postos de trabalho, entendendo que as negociações estão em curso".

Pauta da categoria

A principal reivindicação da categoria é o reajuste salarial de 12,54%, sendo 8,04% referentes às perdas inflacionárias do período de março de 2014 a fevereiro deste ano, medidas pelo Índice de Custo de Vida (ICV), do Dieese, mais 4,5% de aumento real. Os servidores municipais também pedem o fornecimento de vale-refeição no valor de R$ 22,97, vale-transporte integral, cartão servidor cidadão, abono de Natal, convênio médico e equiparação dos pisos salariais entre os regimes celetistas e estatutários.

 

http://www.diarioregional.com.br/2015/05/14/sua-regiao/politica-abc/politica-sao-bernardo-do-campo/servidores-em-greve-protestam-no-paco-de-sao-bernardo/

Pesquise