10º dia de GREVE: governo recua, negocia, mas proposta é rejeitada

ASSEMBLEIAEm seu décimo dia de GREVE, os trabalhadores públicos de São Bernardo mantiveram a disposição de luta e, logo às 5h da manhã concentraram-se no Paço Municipal, de onde saíram em caminhada pela Av. Lucas Nogueira Garcez, até a Praça Ibrahim de Almeida Nobre, retornando pela mesma avenida. Segundo aquela emissora de TV que gosta de falar mais do trânsito do que das reivindicações da classe trabalhadora, a manifestação gerou 23 km de congestionamento, travando a Via Anchieta e com reflexos nas cidades de Diadema e Santo André.

No período da tarde, a categoria reuniu-se em Assembleia, às 16h, para avaliar a proposta apresentada pela Administração em reunião que começou às 20h da noite de 21 de maio, sendo interrompida à 0h30 e retomada às 9h20 de hoje. O resultado desta reunião foi apresentado pelo presidente Giovani Chagas, que subiu ao carro de som acompanhado pelos demais integrantes da mesa de negociações, Cássia Tochetto e Lucinéa Mesquita, também representantes do SINDSERV, e dos dirigentes sindicais Wagnão, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Karrara, do Sindicato dos Gráficos, e Cladeonor, da CUT ABC. Segundo Chagas, depois de exaustivo debate, a Administração apresentou a seguinte proposta:

- Reposição da inflação pelo INPC, 7,68%m dividido em duas parcelas - 2,5% retroativos a março e o restante em dezembro.

Chagas informou que, ainda na Mesa de Negociações, comunicou aos representantes do governo que a Direção do SINDSERV não concordava com a proposta e que defenderia sua rejeição na Assembleia. Colocada a proposta em votação, os trabalhadores seguiram a orientação do Sindicato e rejeitaram, por unanimidade, a proposta.

 

O QUE AVANÇOU:

Retomada das negociações

A pressão da categoria e a grande mobilização fizeram com que a Administração recuasse. No dia 12 de maio, um dia antes do início da GREVE, o governo enviou ofício ao Sindicato sugerindo reunião no dia 28 de maio. Com a GREVE já em seu oitavo dia, depois da intermediação de dirigentes da CUT e do presidente da Câmara, a Administração se pronunciou oficialmente para dizer que aceitaria negociar caso a GREVE fosse suspensa. Levada à Assembleia, a proposta foi, obviamente, rejeitada. Já no dia seguinte, a Administração chamou o SINDSERV para uma reunião onde, mais uma vez, impôs a suspensão da GREVE como condição para a retomada das negociações. O nosso Sindicato sequer levou tal proposta à apreciação dos trabalhadores, pois um dia antes ela já havia sido rejeitada em Assembleia.

Até como certa surpresa, por volta de 18h20, o presidente Giovani Chagas foi contactado por representantes do governo que sugeriram uma reunião de negociação, às 20h. Esta reunião perdurou até 0h30, foi suspensa e retomada às 9h20 de hoje.

"O fato de termos conquistado a retomada das negociações representa um grande avanço em nossa luta! Desde o primeiro dia, insistimos que sem negociação a GREVE não pararia e, apesar da insistência do governo em manter apenas a agenda do dia 28, conseguimos antecipar e iniciar as discussões", avalia a Secretária Geral do SINDSERV, professora Cássia Tochetto.

 

Negociação dos dias parados

Outro importante avanço foi a inclusão da discussão sobre os dias parados como ítem de pauta e sua aceitação por parte do governo. A sinalização da Administração, registrada em ata, é de que haverá a disposição de negociação dos dias parados, com discussão sobre a forma da reposição.

Para nós, este também é um grande avanço, uma vez que a categoria assumiu o compromisso de não encerrar a GREVE sem que esta discussão seja encaminhada no sentido de impedir qualquer tipo de punição aos trabalhadores que estão exercendo o direito democrático e constitucional de GREVE.

 

Apresentação da primeira proposta econômica

A proposta apresentada pela Administração, de reposição da inflação parcelada em duas vezes, foi devidamente rejeitada pela Assembleia! Porém, é inegável que sua apresentação, depois de mais de três meses de protocolo de nossa Pauta de Reivindicações, já representa um avanço, ainda mais quando consideramos os rumores de que poderíamos sair da Campanha Salarial com zero porcento de aumento.

 

Continuidade das negociações, mesmo em GREVE

Outro compromisso assumido na Mesa foi a continuidade das negociações, mesmo que a Assembleia decidisse pela continuidade da GREVE.

 

ONDE NÃO HOUVE AVANÇO 

Os demais pontos da pauta não foram discutidos.

 

PRÓXIMOS PASSOS

- ASSEMBLEIA NA SEGUNDA-FEIRA, ÀS 5h, NO PAÇO

A Direção do SINDSERV vai insistir para que haja reunião de negociação ainda neste final de semana, por isso, achou prudente deixar uma Assembleia agendada para a segunda-feira, quando a categoria será informada quanto às possíveis negociações. 

 

- SOLIDARIEDADE AOS TRABALHADORES ACAMPADOS 

Nossos companheiros continuam ocupando a Câmara e acampados no Paço e precisam de nossa solidariedade! Por isso, passe por lá durante o final de semana!

 

- INTENSIFICAÇÃO DO CONVENCIMENTO

Precisamos realizar um GRANDE MUTIRÃO DE CONVENCIMENTO daqueles que ainda não aderiram à GREVE neste final de semana! 

Ligue para seus amigos, envie mensagens pelas redes sociais, visite setores que trabalham aos sábados e domingos e diga que o nosso movimento já conquistou estes importantes avanços!

Se não fosse a GREVE, o que será que iríamos ter nesta Campanha Salarial? Será que já teríamos alguma proposta, mesmo esta que foi rejeitada?

Então, mãos à obra!!! Sabemos que é cansativo, mas não podemos parar. VAMOS CHEGAR A 100% DE PARALISAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SÃO BERNARDO!!!

Pesquise