Governo recua, apresenta nova proposta, mas decisão fica para segunda-feira

A rodada de negociações realizada durante o dia 29 de maio resultou em um recuo da Administração em relação a dois pontos fundamentais: a inclusão dos aposentados na proposta e a negociação dos dias parados, com o compromisso de ressarcimento de quem teve os valores descontados, na próxima semana.

A nova contraproposta prevê:

  • Abono de R$1.554,32 em junho, pago em duas matrículas, se for o caso
  • Abono a título de "cesta de Natal" de R$310,00, pago em duas matrículas, em dezembro de 2015 e em dezembro de 2016.
  • Reposição salarial de 7,68%, referente à inflação no período 2014-2015, em março de 2016
  • Reposição salarial da inflação medida pelo INPC IBGE no período 2015-2016, em março de 2016
  • Devolução dos valores descontados em função dos dias parados, na primeira semana de junho
  • Reposição das horas paradas: todos os grevistas deverão repor os dias parados, sendo um por mês, podendo ser através de abatimento do banco de horas, abatimento de faltas abonadas, abatimento por horas trabalhadas a partir de convocação da Administração, ou desconto em folha. O trabalhador poderá optar por qualquer uma destas modalidades.
  • As horas paradas não terão reflexos sobre os direitos às férias
  • Os aposentados estão incluídos na proposta.

 

Assembleia dividida

Colocada em votação, durante a Assembleia realizada na noite do dia 29, no Paço Municipal, a contraproposta dividiu as opiniões dos trabalhadores, e o resultado foi de empate. 

Diante da impossibilidade de apurar se a maioria dos trabalhadores aceitavam, ou não, a contraproposta, a Direção do SINDSERV decidiu encerrar a Assembleia, convocando uma nova para segunda-feira, 01 de junho, na Praça Santa Filomena, às 9h.

A intenção do SINDSERV, com esta medida, foi a de garantir que a proposta seja analisada com tranquilidade e que a decisão seja tomada sem a interferência de pessoas ligadas a grupos políticos, que causaram tumulto durante a votação de sexta-feira. Boa parte de quem tumultuou a Assembleia é composta por militantes de partidos ligados a um grupo de oposição e também foram detectados vários trabalhadores em cargos comissionados.

A decisão não cabe a quem, sequer, pertence à categoria, e não pode ser tomada na emoção ou "no grito". Por isso, analise com cuidado, avalie todo o processo e decida com consciência.

 

É preciso manter a união entre os trabalhadores!

É óbvio que esta situação de empate em uma decisão tão importante desagrada a quase todos. Porém, pedimos ponderação a todos e mais uma vez, um grande esforço em busca da unidade da categoria.

Uma coisa ficou clara na Assembleia do dia 29: o mesmo grupo político que votou contra a GREVE, que disse que nossa categoria não estava preparada, agiu pelo fracasso do movimento e tentou, de forma unilateral, sem qualquer decisão do coletivo, judicializar o movimento. Para este grupo, sempre, impera a lógica do "quanto pior, melhor", não importando se centenas de trabalhadores corram o risco de ser demitidos.

Por isso, insistimos que a decisão deve ser tomada conscientemente, sem a influência de agentes externos ou de quem quer o fracasso do nosso movimento.

 

Presidente Chagas avalia que proposta está aquém do reivindicado

O presidente do SINDSERV, Giovani Chagas, através de vídeo gravado na manhã de sábado, avalia que a contraproposta do governo está muito aquém do reivindicado pela categoria: "Nós provamos à Administração que não é verdade que não tem dinheiro para atender às nossas reivindicações, inclusive com a apresentação de documentos e estudos realizados por nosso assessor-técnico financeiro. Diante disso, tiveram que admitir que a prioridade do governo é concluir as obras, não os trabalhadores. Uma atitude lamentável, pois quem faz a cidade funcionar somos nós, não os prédios ou buracos espalhados pela cidade".

Entretanto, Chagas reforça a decisão cabe aos trabalhadores, não à direção do Sindicato: "Nós sempre deixamos claro que a Direção é a legítima representante da categoria para negociar e administrar o Sindicato, porém, a decisão sempre cabe à categoria, em Assembleia. Nós jamais tomaríamos uma medida, como a de acionar o Ministério Público, sem que isso fosse decidido pelo conjunto dos trabalhadores, e não vamos continuar ou encerrar a GREVE por conta própria", conclui Chagas.

 

Antes de compartilhar inverdades, pense bem!

Muita coisa circulou nas redes sociais depois da Assembleia de sexta-feira. É compreensível que algumas pessoas, bem intencionadas, tenham ficado frustradas, pois sua posição não foi majoritária na votação. Isso pode gerar um certo "destempero", que respirando fundo e avaliando melhor a situação, a pessoa acaba percebendo que extrapolou. Agora, há os provocadores, os radicais, os "fakes" e os infiltrados, sejam do próprio governo ou do grupo político que faz oposição ao SINDSERV. Por isso, preste atenção antes de compartilhar mentiras, como por exemplo:

- "A Direção do Sindicato convocou nova Assembleia porque sua posição perdeu na sexta-feira": Oras, quem estava na Assembleia e consegue parar para raciocinar, percebe perfeitamente que houve um empate entre os que queriam aprovar a contraproposta e os que a queriam rejeitar. Se a Direção do SINDSERV quisesse que qualquer uma das duas passasse "na marra", teria dito que esta ou aquela teve a maioria! Seria cômodo, pois apenas uma parte ficaria contrariada. Com a decisão democrática de garantir o direito a avaliar melhor a contraproposta, os dois lados, sejam os que queriam aprovar ou os que rejeitam, saem ganhando e agora têm tempo de dialogar, fraternalmente, não no grito e na truculência, com os colegas, em uma natural ação de convencimento.

- "Ficam o dia inteiro negociando e resumem tudo a menos de cinco minutos": o processo de negociação é árduo e requer preparo técnico, político e emocional. O que importa para a categoria é saber seu resultado, analisá-lo e decidir se concorda ou não. Qual a necessidade de fazer uma descrição demorada da reunião? Quem está nos representando na Mesa de Negociações está preparado para isso! Conhecem as leis, estudaram o orçamento do município e têm assessoria técnica capacitada. Tem gente querendo se passar por representante da categoria e nem sabe o que é LDO...

- "Porque só agora o SINDSERV denunciou a 'oposição unificada', não servem mais?": a Direção do SINDSERV tomou a decisão de construir uma GREVE democrática, com participação efetiva da categoria, tanto é que vários trabalhadores despontaram como lideranças e colaboradores efetivos da causa coletiva. Esta decisão incluiu PERMITIR QUE O GRUPO QUE VOTOU CONTRA A GREVE participasse do Comando de Greve. Mesmo assim, alertamos os trabalhadores sobre o trabalho de desconstrução do movimento que eles fizeram o tempo todo. Basta ler este artigo "Paz entre nós, guerra aos senhores", publicado no dia 21. Ocorre que a irresponsabilidade e o oportunismo deste grupo ultrapassaram todos os limites quando, de forma unilateral, colocaram centenas de trabalhadores em risco de desemprego ao procurarem o Ministério Público do Trabalho. Era obrigação do SINDSERV denunciar esta traição.

 

Segunda-feira, todos à Assembleia!

Não deixe que os outros decidam por você! No dia 01 de junho, às 9h, vá até a Praça Santa Filomena e decida com consciência.

Se a maioria decidir rejeitar a contraproposta, vamos continuar juntos, em GREVE e na luta! Nosso Sindicato está preparado e estruturado para continuar com o movimento.

Se a decisão for favorável à contraproposta, a posição do SINDSERV será a de continuar investindo na união da categoria.

Portanto, analise, converse com seus companheiros de trabalho e decida com convicção e consciência! 

 

Pesquise