21 DIAS DE GREVE: Nota da Diretoria do SINDSERV

assembleiaEstamos caminhando para o 21o. dia de GREVE dos trabalhadores públicos de São Bernardo do Campo. Nesta segunda-feira, 01 de junho, uma Assembleia, com mais de 3 mil pessoas, na Praça Santa Filomena decidiu pela rejeição da contraproposta governista e pela continuidade da GREVE.

A Direção do SINDSERV defendeu a rejeição, principalmente, pelos seguintes motivos:

- A PROPOSTA FINANCEIRA É RUIM E ESTÁ AQUÉM DE NOSSAS EXPECTATIVAS: a proposta de pagamento de abono e cesta de Natal é incompatível com as reivindicações e necessidades da categoria. Quando nem a reposição da inflação é garantida imediatamente, isso representa uma situação de arrocho salarial.

- DESCONTO EM FOLHA E FALTAS INJUSTIFICADAS SÃO MEDIDAS REACIONÁRIAS: o desconto dos dias parados, que tem levado muitas famílias a uma situação complicadíssima, e a negativa do governo em dizer que não imputará faltas injustificadas aos grevistas, configuram medidas de governos autoritários, conservadores e reacionários, não de uma Administração popular e democrática! É lamentável que tenhamos que recorrer ao Poder Judiciário para garantir que o direito constitucional de GREVE seja respeitado por um governo chefiado por um ex-sindicalista.

- A ADMINISTRAÇÃO TEM QUE PRIORIZAR AS PESSOAS, NÃO AS OBRAS: nós, trabalhadores públicos, temos compromisso com a cidade. Sabemos que seu desenvolvimento é importante e que obras são necessárias para que isso ocorra. Porém, quando a Administração diz que sua prioridade é a aplicação dos recursos que deveriam ser destinados aos trabalhadores em obras, fica evidente a demonstração de desvalorização e desrespeito para com quem faz a cidade funcionar! 

- DINHEIRO TEM, O QUE FALTA É VONTADE POLÍTICA: Nossos Diretores, através de assessoria técnica especializada em orçamento público municipal, comprovaram que o impacto financeiro para concessão das reivindicações da categoria está perfeitamente amoldado à previsão orçamentária. Ainda que tenha havido queda na arrecadação, o que se pede está dentro dos limites do que foi previsto pela LOA e pela LDO. Portanto, dinheiro tem, sim senhor!

Além de rejeitar a proposta, a Assembleia também decidiu pela constituição de um FUNDO DE GREVE, que arrecadará recursos financeiros e alimentos para os trabalhadores que tiveram os dias descontados, enquanto não se faça Justiça a estes companheiros e companheiras.

TRABALHADORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

Conforme divulgado amplamente, um grupo tomou a iniciativa unilateral, sem autorização da categoria, para "pedir mediação do Ministério Público do Trabalho". Este é um erro gravíssimo, tanto política, quanto juridicamente, pois a Justiça do Trabalho não é o fórum adequado para encaminhar ações relativas a uma greve no serviço público.

A intenção de nossa Direção é evitar confrontos, neste momento, com grupos políticos que agem na nossa GREVE, porém, precisamos orientar e esclarecer aos trabalhadores os verdadeiros riscos a que estamos submetidos por conta de atitudes irresponsáveis. Então, aqui não se trata de, novamente, criticar a atitude do grupo político em questão, mas de orientar com objetividade aos trabalhadores. Diante disso, precisamos esclarecer que:

- Nosso Departamento Jurídico está tomando todas as medidas possíveis para impedir que qualquer pessoa ou grupo tente se passar por representante dos trabalhadores, colocando em risco a nossa GREVE, nos dividindo politicamente e levando aflição a centenas de famílias.

- Vamos provar ao Promotor de Justiça que ainda não esgotamos o processo de GREVE e que não pretendemos "judicializar" o movimento. Assim, esperamos que ele compreenda que a iniciativa isolada não representa a opinião da maioria dos trabalhadores, não foi decidida em Assembleia, nem foi tomada pelo legítimo representante eleito para representar os trabalhadores públicos de São Bernardo, que é o SINDSERV, através de sua Diretoria.

- Vamos provar que as assinaturas colhidas são ilegítimas, pois há inúmeros testemunhos de trabalhadores que sentiram-se ludibriados a assinar o documento, alguns considerando que era, inclusive, a lista de Ponto Paralelo.

Diante de tantos testemunhos e da resposta dada pela categoria na Assembleia de hoje, esta claro que A DECISÃO DO COLETIVO É PELA CONTINUIDADE DA GREVE E DA LUTA POLÍTICA QUE ELA REPRESENTA, não por sua "judicialização".

Portanto, diante destes argumentos, queremos tranquilizar aos trabalhadores e às trabalhadoras em estágio probatório que aderiram à GREVE, que confiaram na palavra da Direção do Sindicato, que lhes disse ter tomado todas as medidas preventivas para evitar tais riscos, mas que, infelizmente, não contava com esta atitude isolada.

Queremos, mais uma vez, pedir sua confiança em nossa Direção e, mais do que isso, na força do nosso movimento! Vamos continuar juntos, na luta, até a vitória!

Pesquise