Apesar da crise, cidade cresceu 2,8% em 2016

Enquanto Dívida Consolidada decresceu 1,1%, Receita Realizada Total da cidade cresceu 2,8%.

dadosA crise econômica internacional trouxe reflexos inevitáveis ao Brasil, que sofreu, ainda mais, com o agravamento da crise política. Mesmo assim, enquanto o PIB nacional caía para -3,3% em 2016, a Receita Realizada de São Bernardo crescia 2,8%.

Os números positivos não param por aí: a arrecadação da Prefeitura em janeiro se manteve nos mesmos níveis de 2016 e 2015. Os números contradizem os argumentos apresentados pela atual gestão de que a cidade estaria com os "cofres vazios". Nos primeiros 30 dias de 2017, foram arrecadados R$335.495.742,51. Isso representa R$ 24 milhões a mais que no ano passado e R$ 34 milhões a mais que em 2015.

Lei de Responsabilidade Fiscal

Em 2016, a despesa com pessoal correspondia a 32,2% da Receita Corrente Líquida. O limite máximo é 54% e o prudencial, 51,3%.

Arrecadação

São Bernardo é a 3ª prefeitura com a maior arrecadação do estado de São Paulo, só recebeu menos recursos que a capital e Guarulhos. A Receita Tributária do município totalizou R$ 1,041 bilhão em 2016.

Dívida caiu, receita aumentou!

A dívida encontra-se abaixo do limite definido por resolução do Senado que é de R$ 3.723.368.766,83.

A Dívida Consolidada Líquida em relação à Receita Corrente Líquida, variou de R$ 1.219.480.021 (2015) para R$ 1.206.228.319 (2016), ou seja, decresceu 1,1%, ao passo que a Receita Corrente Líquida saltou de R$ 2.980.682.916 (2015) para R$ 3.102.807.306 (2016), um aumento percentual de 4,1%, segundo dados do Tesouro Nacional.

Conclusão

Dinheiro, tem! Os trabalhadores públicos não podem ser reféns das disputas político-partidárias, nem pagar o pato das medidas neoliberais do governo federal! Os dados apresentados têm como fontes: Tesouro Nacional, Banco Central, FMI, IBGE, DIEESE, SEADE, LDO e LOA. Você pode acessar o relatório completo no nosso site, dentro do Especial Campanha Salarial 2017.

Pesquise