SINDSERV vai à Justiça por direito de greve

O Departamento Jurídico do SINDSERV vai ingressar com ação judicial contra a medida autoritária e antissindical da Administração municipal, que não reconheceu o direito dos trabalhadores à greve geral do dia 28 de abril.

O SINDSERV havia estabelecido prazo até 7 de julho para que o governo municipal revisse seu posicionamento quanto às faltas dos trabalhadores que assumiram a luta contra o desmonte da Previdência e dos direitos trabalhistas. Diante de mais esse desrespeito, só nos restou a opção de lutar na Justiça por nosso direito!

Mudando as regras depois do ato
A medida autoritária da Administração ocorreu no dia 31 de maio, ou seja, depois da Greve Geral. Nela, fica evidente o posicionamento do governo municipal contra os trabalhadores e a favor das medidas de Michel Temer e do Congresso Nacional nas chamadas "reformas". Ao perseguir quem exerceu o Direito de Greve, a Administração evidencia uma mentalidade retrógrada, que certamente será corrigida, ainda que pela Justiça.
Este decreto, no dia 31, prejudicou centenas de trabalhadores, uma vez que toda a orientação do SINDSERV havia sido baseada nas regras, decretos e legislações anteriores, como por exemplo na Lei Nº 7.783, de 28 de junho de 1989, que no art. 5º diz: "A entidade sindical representará os interesses dos trabalhadores nas negociações ou na Justiça do Trabalho".
Como agravante, uma reunião da Mesa de Negociações, agendada para o dia 27 de abril, havia sido desmarcada pela Administração, em mais uma demonstração de desrespeito à categoria.

Pesquise