Compare as promessas de campanha com a nossa realidade

Durante a campanha eleitoral o atual prefeito fez promessas de melhorias para o trabalhador municipal, porém, a prática vem se mostrando bem diferente da teoria.

Os grandes capitalistas, para garantir o acúmulo de riquezas em um momento de crise, criada por eles mesmos, impuseram uma agenda de retirada de direitos, com total apoio do governo ilegítimo de Temer e de um Congresso afundado em denúncias de corrupção. Para nós, trabalhadores públicos, a situação fica ainda mais difícil! Eles nos tratam como se fossemos "marajás" e colocam todos os servidores no mesmo balaio, atribuindo a nós os mesmos salários e benefícios que, por exemplo, recebem os juízes e membros do Ministério Público. Mal sabe a população que boa parte da nossa categoria, em São Bernardo, recebe menos de R$ 2 mil mensais.

Promessas x Realidade

Durante a campanha eleitoral o atual prefeito fez promessas de melhorias para o trabalhador municipal, porém, a prática vem se mostrando bem diferente da teoria. Por isso, listamos algumas dessas promessas e mostramos o que realmente está sendo feito, segue:

PROMESSA 1 – Formação continuada: Capacitar constantemente os servidores públicos, estabelecendo novas parcerias com instituições de ensino e fortalecer a ação do Plano de Capacitação do Servidor, garantindo educação continuada ao funcionalismo.

REALIDADE 1 – Até o momento não ocorreu nenhuma atividade, e nenhum plano foi apresentado.

 

PROMESSA 2 – Revisão do plano de carreiras: Revisar o plano de carreiras dos servidores públicos, prevendo valorização salarial por tempo de serviço e qualificação, e revisar o Estatuto do Funcionalismo.

REALIDADE 2 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 3 – Modernização Administrativa: Dotar a Prefeitura de São Bernardo do Campo de instrumentos tecnológicos modernos para facilitar a interação entre os entes necessários a uma adequada governança da cidade, e realizar uma reforma administrativa.

REALIDADE 3 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 4 – Desburocratização: Desburocratizar, melhorar a qualidade e a produtividade e dar transparência aos serviços públicos oferecidos aos cidadãos.

REALIDADE 4 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 5 – Novo Fluxo de Trabalho: Executar o redesenho de fluxos e competências administrativas devido às diversas reformas administrativas ocorridas, que dificultam o andamento interno das solicitações da população.

REALIDADE 5 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 6 – Reposição salarial: Realizar a reposição salarial com base no índice inflacionário e reposição gradual das perdas salariais de forma compatível com o comportamento das receitas municipais. Retorno da Incorporação Salarial (Minerva).

REALIDADE 6 – Na primeira Data Base, o que se viu foi morosidade para iniciar as negociações e para apresentar uma contraproposta, que foi rejeitada em Assembleia, além de não dialogar com o Sindicato por dois meses. Em rodada na Mesa de Negociações no dia 30 de junho, os representantes do Paço REBAIXARAM A CONTRAPROPOSTA de acordo, reduzindo o percentual de reajuste de 5% para 2% em outubro, sem retroativo, retirando a proposta de reajuste do vale-alimentação e cortando o abono de Natal! Isso, sem contar que sem o retroativo, que já deixa defasada a reposição no período da Data Base, temos agora um acúmulo de mais de 5 meses de inflação, até o momento.

 

PROMESSA 7 – Gerenciamento das Atividades: Realizar gerenciamento das políticas setoriais baseado na informatização e em indicadores de desempenho.

REALIDADE 7 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 8 – Peça Orçamentária: Trazer de volta a estrutura e operação do Orçamento para a Secretaria de Finanças, que possui pessoas capacitadas para elaboração da peça orçamentária.

REALIDADE 8 – Em nossa opinião, esta mudança representa um retrocesso, uma vez que este formato impede a participação efetiva da população e dos trabalhadores públicos.

 

PROMESSA 9 – Concursos Públicos: Realizar concursos públicos para as áreas necessárias, visando à otimização dos serviços públicos, além de fortalecer o Sistema de Previdência do funcionalismo municipal.

REALIDADE 9 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 10 – Guarda Civil Municipal: Equipar a Guarda Civil Municipal (GCM) com novas viaturas, armas modernas e apoio à inteligência, equiparar o piso salarial com o da Polícia Militar e dobrar o atual efetivo da GCM.

REALIDADE 10 – O que ocorreu até o momento, o que se observa, é um total descaso com a GCM, que está submetida à utilização de coletes balísticos vencidos. Além de outros casos, como dos HTs, das péssimas condições de trabalho em Inspetorias, como na IGA, e da falta de condições de circulação segura das viaturas.

 

PROMESSA 11 – Estatuto do Magistério: Fomentar a discussão com a rede de ensino municipal sobre o Estatuto do Magistério e retomar os concursos públicos para o cargo de Diretor de Escola.

REALIDADE 11 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 12 – Atendimento integral na saúde: Fortalecer a Assistência de Saúde ao Servidor, ampliando a rede de serviços credenciados e assegurando o atendimento integral e adequado.

REALIDADE 12 – O resultado prático, até o momento, foi a queda na qualidade do atendimento, com descredenciamento de hospitais, clínicas e profissionais que nos atendiam há anos. Agora, além de sermos vítimas do mau atendimento, vemos nosso patrimônio ser, mais uma vez, dilapidado, como se observa no próximo tópico.

 

PROMESSA 13 – Acessa São Bernardo: Implantar o programa Acessa São Bernardo por meio de cartão de acesso e quiosques de atendimento eletrônico nos equipamentos públicos para solicitações de serviços e acompanhamento das mesmas por parte dos munícipes.

REALIDADE 13 – Até o momento, nada foi debatido ou apresentado neste ponto.

 

PROMESSA 14 – IMASF: Viabilizar o retorno dos atendimentos no Hospital Brasil e Hospital Assunção e ampliar o número de clínicas dentro da rede credenciada.

REALIDADE 14 – O que realmente aprovaram foi a "entrega" do prédio onde deveria funcionar o Hospital do IMASF ao Executivo Municipal! Ocorre que, em momento algum, o projeto estabelece quais serão as condições para o pagamento, nem se os trabalhadores públicos e seus familiares terão direito a utilizar o suposto futuro hospital. Para se ter a dimensão do "grande negócio" fechado entre prefeito, vereadores da base governista e conselheiros do IMASF, o custo da obra do tal hospital girou em torno de R$ 45 milhões e o prédio foi entregue por R$ 20 milhões.

Pesquise