Trabalhadores decretam Assembleia Permanente e avisam: não tem arrego!

Em Assembleia, categoria responde com ainda mais disposição de luta aos ataques covardes do prefeito

mesa assembleiaO prefeito Orlando Morando (PSDB) conseguiu algo que há muito não se via entre os servidores públicos de São Bernardo: um posicionamento unificado das mais variadas correntes de pensamento e ação contra os ataques covardes que ele vem desferindo contra a categoria.

Durante a Assembleia realizada na noite desta quinta-feira, 14, o sentimento de indignação diante do desrespeito do governo municipal às reivindicações dos trabalhadores se ampliou e amplificou.

Além de não responder à pauta aprovada em 12 de fevereiro e entregue horas depois oficialmente ao governo, Morando decidiu recorrer da decisão judicial que mandou instalar a Mesa Permanente de Negociações (recurso ainda não julgado) e, horas antes da Assembleia de hoje, comunicou ao SINDSERV que sua "gestão" não vai mais realizar o desconto em folha da contribuição mensal dos sindicalizados, apesar da sindicalização ser opcional e voluntária. Com esta medida, o prefeito manifesta, mais uma vez, sua incapacidade de compreender a importância do cargo que ocupa e, de maneira covarde, tenta inviabilizar financeiramente a luta dos trabalhadores.

A resposta da Assembleia foi clara: NÃO TEM ARREGO! Os gritos, ameaças, assédio moral e interferência autoritária na autonomia sindical não vão nos fazer recuar.

DECISÕES IMPORTANTES

Em um debate rico e bastante consensual, os trabalhadores tomaram decisões importantes para a continuidade da luta na Campanha Salarial 2019:

- Decretação de Assembleia Permanente;

- Organização da Campanha Salarial através da constituição de Conselho de Representantes, com trabalhadores em todos os setores e unidades;

- Organização de Comissões de Mobilização, por secretarias e regiões;

- Realização de atos com faixas e panfletagens por toda a cidade;

- Trabalho intensivo com a população, denunciando o desmonte do serviço público e as consequências graves do desrespeito do prefeito aos servidores, inclusive com o lançamento de um abaixo-assinado exigindo que as negociações comecem imediatamente.

Em relação à atitude irresponsável de tentar asfixiar o Sindicato financeiramente, os trabalhadores sugeriram várias alternativas, que vão de ações judiciais até a realização de Assembleia específica ou documento pessoal dos sindicalizados para autorização do desconto em folha. Durante esta sexta-feira, após estudo mais detalhado de nosso Departamento Jurídico, publicaremos matéria específica sobre esse tema, que também será abordado durante transmissão de vídeo, ao vivo, às 18h30, na página do Facebook do SINDSERV.

CONSTRUIR A GREVE GERAL CONTRA O DESMONTE DA PREVIDÊNCIA

A categoria decidiu, também, participar da Mobilização Nacional Contra a Reforma da Previdência, convocada por todas as centrais sindicais, que prevê protestos, paralisações e assembleias durante o dia 22 de março.

voto

Pesquise