Ato marca início das obras dos apartamentos do MSTL

Atividade lotou teatro da UFABC e contou com representantes do nosso Sindicato. 150 famílias de servidores foram contempladas.

mstl, mcmvO dia 22 de julho ficará marcado na memória das famílias organizadas pelo MSTL nos Projetos Frei Tito e Nelson Mandela como um momento de superação de uma das etapas mais importantes da luta pelo direito à moradia digna. Realizado no Campus São Bernardo da Universidade Federal do ABC - UFABC, o Ato Comemorativo de Anúncio do Início das Obras contou com a presença marcante das 800 famílias dos projetos e com representantes da CAIXA, da P4 Construtora, da CMP, da FLM e da UFABC.

O ato foi coordenado por Eduardo Cardoso, dirigente do MSTL, e pela companheira Helô, da FLM - Frente de Luta por Moradia. Cidinha Rodrigues e Thainá Décio representaram as famílias do MSTL na mesa, com falas direcionadas às mulheres e à juventude.

Eduardo Cardoso ressaltou a importância da parceria com o SINDSERV e agradeceu à nossa entidade por todo o apoio prestado no início da organização das famílias: "A parceria com o SINDSERV foi fundamental, inclusive quando nos cederam espaço para organizar as pastas das famílias, um momento difícil de burocracia, exigida pela CAIXA e pelo Ministério das cidades".

Emoção, do começo ao fim!

Toda a atividade foi marcada por um clima de muita emoção. A sensação de que uma etapa importantíssima da luta foi vencida, trouxe alívio e, ao mesmo tempo, a certeza de que precisamos ficar vigilantes para que os prazos das obras sejam respeitados. A frase cravada por muitas famílias foi: "Agora, vai! Mas, a luta continua!

Outras "estrelas" do ato foram as maquetes dos dois projetos, estrategicamente expostas na entrada do prédio. Selfies e vídeos foram registrados durante todo o tempo.

Próximos passos

mstl 22 jul 17Para que a construtora possa entrar no terreno e iniciar as obras, ainda faltam alguns aspectos burocráticos, envolvendo a CAIXA e o Ministério das Cidades. Isso deve ocorrer nos próximos dias, já que as pendências estão regularizadas.

Ao final da atividade, Eduardo Cardoso alertou para a necessidade de buscarmos diálogo com a Prefeitura de São Bernardo para que ela cumpra sua parte no acordo: "Nosso projeto é financiado por quatro entes: primeiro as próprias famílias, depois, os governos nos três níveis, federal, estadual e municipal. Por parte dos governos federal e estadual, as coisas estão bem encaminhadas e previstas nas dotações orçamentárias. Já com o município, isto ainda não está muito claro e temos tido alguma dificuldade de contato, visto que é um novo governo. Por isso, precisamos ficar alertas, pois sem as obras assumidas pela prefeitura, os apartamentos não poderão ser entregues".

Pesquise