Minha Casa, Minha Vida: teatro ficou pequeno em reunião sobre o programa habitacional

O Teatro Cacilda Becker ficou pequeno para abrigar as centenas de trabalhadores que participaram da reunião sobre o programa Minha Casa, Minha Vida. O encontro aconteceu na noite desta quinta-feira, 27 de fevereiro, e contou com a participação de representantes do SINDSERV, da Prefeitura, do Centro de Formação Popular Frei Betto e da Caixa Econômica Federal.

O presidente do nosso Sindicato, Giovani Chagas, destacou a importância da conquista dos 100 apartamentos para servidores públicos: "Foi com muita luta e persistência que obtivemos esta vitória e este é o primeiro passo para que muito mais seja feito para os nossos trabalhadores". Chagas também destacou a importância da Mesa Permanente de Negociações: "A possibilidade de mantermos este contato e esta condição de poder, a todo tempo, apresentar as reivindicações de nossa categoria, é fundamental! Nós devemos nos lembrar que há poucos anos atrás, em outras administrações, o Sindicato sequer era recebido pelo governo. É por isso que, para nós, a Mesa Permanente de Negociações representa uma grande conquista".

Além do presidente Chagas, compuseram a mesa o Secretário Municipal de Administração, José Augusto Guarnieri, a Secretária de Habitação, Tássia Regino, o Coordenador do Centro de Formação Popular Frei Betto, Eduardo Cardoso, e o Gerente Regional da Caixa, Gilnei Peroni. Os vereadores José Cloves e Gilberto França representaram o Poder Legislativo.

O diretor do Centro Frei Betto e militante do Movimento dos Sem-Teto de Luta, Eduardo Cardoso, fez uma apresentação da entidade, explicou as condições do empreendimento e apresentou a imagem aérea do espaço onde os apartamentos serão construídos, no Bairro Cooperativa. O dirigente explicou que, através de assembleia, ficou estabelecido que os critérios para participação no empreendimento seriam: filiação à entidade, participação nas assembleias, ser residente em São Bernardo e pagar uma taxa de adesão no valor de R$ 3 mil. Eduardo explicou que a taxa servirá para pagamento de custos administrativos do empreendimento e que os associados à entidade já vinham pagando, mensalmente, taxas que podem até ter ultrapassado este valor.

A Caixa Econômica Federal também fez uma apresentação, através de uma de suas técnicas, dos critérios estabelecidos para o Minha Caixa, Minha Vida. Ela deixou claro que o banco é bastante rígido na observação destes critérios. Como as dúvidas eram muitas e a quantidade de participantes impedia a explicação de casos individuais, a Caixa comprometeu-se a realizar plantões na sede do nosso Sindicato, nos dias 6 e 7 de março.

Pesquise