SINDSERV conquista mais 30 apartamentos do Minha Casa, Minha Vida

A parceria do SINDSERV com o MSTL – Movimento dos Sem-Terra de Luta – continua gerando conquistas para os trabalhadores públicos de São Bernardo! Depois de diálogo entre o presidente do nosso Sindicato, Giovani Chagas, e o coordenador do movimento, Eduardo Cardoso, ficou acordado que mais 30 servidores poderão ser contemplados no projeto. Ao todo serão 150 moradias destinadas aos Servidores de SBC!

"Todo o esforço de nossa diretoria está valendo a pena. Levamos esta necessidade para a Mesa de Negociações e apresentamos como pauta de reivindicação de nossa Campanha Salarial dos últimos anos. Conquistamos, à princípio, 100 moradias, depois, conseguimos ampliar para 120 e, agora chegamos a 150, um aumento de 50%", comemora o presidente Giovani Chagas.

Neste projeto, destinado a famílias de baixa renda do Programa Minha Casa, Minha Vida, o Governo Federal trabalhou com a modalidade "entidades". É por isso que a destinação dos apartamentos depende da participação dos interessados em uma das entidades parceiras do MSTL. Segundo Eduardo Cardoso, com as desistências de algumas famílias de outras entidades, foi possível repassar mais 30 vagas ao SINDSERV.

O projeto, que recebeu o nome de Frei Betto e Nelson Mandela, está sendo construído no Bairro Cooperativa. São 800 apartamentos de 54 metros quadrados, com dois dormitórios, sala, cozinha e banheiro, além de áreas de uso coletivo para o lazer e organização dos moradores. Estes são os primeiros prédios do Minha Casa, Minha Vida que terão elevadores, em todo o Brasil.

Para fazer parte do programa, o trabalhador precisa atender aos seguintes critérios:

- Ter renda familiar mensal de, no máximo, R$1.600,00.

- Não possuir imóveis em seu nome.

- Não ter dívidas no CADIN (IPVA, multas de trânsito). Já em relação ao SPC/SERASA, não tem problema, as inscrições são aceitas.

- Não ter participado de outros programas de moradia do Governo Federal.

- Ser sindicalizado (sócio do SINDSERV).

- Efetuar o pagamento de uma contrapartida ao MSTL – Movimento dos Sem-Terra de Luta no valor de R$ 3.000,00;

- Participar das reuniões e assembleias do projeto.

Clique aqui e veja a relação de documentos necessários.

Pesquise