CUT-SP recompõe direção e elege delegados para Congresso Nacional

Em plenária, Central reforçou unidade para resistir à retirada de direitos

Após dois dias de debates democráticos sobre os desafios da Central diante dos ataques à classe trabalhadora como a Reforma Trabalhista e a perseguição contra o ex-presidente Lula, a CUT-SP encerra, neste sábado (22), sua 15ª Plenária Estatutária – Congresso Estadual Extraordinário e Único. 

Das discussões do encontro, foram eleitos os delegados e as delegadas e elaborado um caderno de teses que será debatido no Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores, que ocorrerá em agosto na cidade de São Paulo.

Durante o Congresso, além de análises conjunturais que avaliaram o contexto de ataques, os participantes apontaram a necessidade de o movimento sindical elaborar novas estratégias de lutas. Diversas moções foram aprovadas, dentre elas a que repudia a privatização do estado e da cidade de São Paulo, promovida pelos governos tucanos de Geraldo Alckmin e João Doria, e a que defende a candidatura do ex-presidente Lula em 2018.

Também foram realizadas homenagens ao ex-vice-presidente da CUT-SP, Sebastião Cardozo, o Tião, e ao ex-coordenador da subsede da CUT Araçatuba, Jaime Izidoro. A direção foi recomposta com o bancário Valdir Fernandes, o Tafarel, na vice-presidência da CUT-SP. Em seu lugar, na coordenação da subsede Osasco, entra o também bancário Luiz César de Freitas, o Alemão. Já na subsede Araçatuba ocupará a coordenação a professora Cleide Maria de Jesus Almeida.   

Secretário-geral da CUT-SP e coordenador-geral da plenária, João Cayres apontou para as próximas lutas que o movimento sindical irá travar. “O golpe continua em andamento retirando direitos e querem acabar com a nossa aposentadoria. Agora, a nossa luta tem que ser pela revogação da Reforma Trabalhista e em defesa da Previdência Social. Vamos continuar nas ruas e promovendo greves”, afirmou.

O presidente da CUT-SP, Douglas Martins Izzo, disse que o saldo dessa plenária é positivo e que a Central buscará a construção de uma alternativa nas eleições de 2018. “Temos que construir um projeto popular para o estado de São Paulo, articulado com os movimentos populares e partidos de esquerda, para propor uma alternativa para esse estado conservador que, há muitos anos, não apresenta uma política que atenda de fato a população trabalhadora.”

Recomposição da diretoria

Tafarel faltou sobre a dificuldade de substituir Tião, mas seguirá travando lutas pelos direitos dos trabalhadores. “A Central tem se posicionado diante do golpe como a Central da esquerda, na defesa dos trabalhadores. É um momento difícil, mas de desafio também. É um grande desafio substituir o Tião, que foi um grande companheiro de luta. Eu espero contribuir nessa disputa contra o golpe, pelo Fora Temer e por Diretas já”, apontou.

Para Cleide, os trabalhos de base serão fortalecidos na cidade de Araçatuba. “Não é um momento fácil, mas também não nos amedronta porque a gente não foge à luta. O que chateia é substituir um companheiro que veio a falecer, mas nós daremos continuidade ao que ele vinha fazendo, que é levar a todas e todos a diferença que é ter uma Central Única dos Trabalhadores no interior do estado”, disse Cleide.

 

Fonte: CUT/SP

Pesquise