Centenário da greve no Brasil é referência para a luta contra a retirada de direitos

Participantes da 15ª Plenária da CUT-SP relembram a luta dos trabalhadores

“Sem dúvida nenhuma, a greve de 1917 foi um marco glorioso para a luta dos trabalhadores”. Essa é a avaliação do historiador José Luiz Del Roio, um dos participantes da 15ª Plenária Estadual – Congresso Extraordinário e Exclusivo da CUT-SP, que teve início nesta sexta (21).

Del Roio, autor do livro “A greve de 1917 – Os trabalhadores entram em cena” participou do debate sobre o centenário da greve geral e os dias atuais, momento coordenado pelo secretário de Mobilização da CUT-SP, João Batista Gomes, e pela secretária de Combate ao Racismo da CUT-SP, Rosana Silva.

Historiador e militante, Del Roio contextualizou, a partir de sua pesquisa, sobre as condições de trabalhado dos operários brasileiros de 1917 e sobre como se deu o levante que desencadeou a primeira greve geral do país. Para ele, a luta e a resistência dos trabalhadores brasileiros que realizaram a primeira grande paralisação devem inspirar os que saem às ruas nos dias de hoje contra as reformas do governo golpista de Michel Temer (PMDB).  

 “Com o movimento de 1917, a questão do trabalho deixou de ser caso de polícia e passou a entrar na pauta política. E hoje, muitas das conquistas daquele momento estão em risco com esse governo”, afirmou.

Edna comentou que, apesar disso, os negros tiveram participação e protagonismo nesses momentos de luta dos trabalhadores, mas que os registros se limitavam aos boletins de prisão e denúncias de tortura. “Praticamente, a principal fonte para se buscar informações da participação dos negros no mercado de trabalho são os boletins de ocorrências policiais da época”.

Já o ferroviário Raphael Martinelli iniciou seu discurso dizendo que a CUT precisa estar alerta no Brasil, sinalizando para a conjuntura atual e fazendo referência à invasão e ao atentado que ocorreu nos últimos dias na sede da Central no Ceará.

“A responsabilidade da classe operária é que vai decidir os próximos rumos do país. Não admitimos que existam explorados e é por isso que temos que identificar o nosso inimigo comum de classe. Aqueles que ficavam na Avenida Paulista defendendo as bandeiras de direita estão vendo os erros que cometeram. Nós temos que levar a consciência classista para toda a sociedade e ampliar a luta do movimento sindical, fazer greves para manter os nossos direitos”, disse Martinelli, que foi militante do Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) e um dos fundadores da Ação Libertadora Nacional (ALN) junto com Carlos Marighella.

Ao final, os participantes cantaram “A Internacional”, canção marco da classe operária em todo o mundo.

Memorial

No último dia 13 de julho, a CUT Nacional e São Paulo, o Partido dos Trabalhadores e a Fundação Perseu Abramo lançaram no cemitério do Araçá um memorial em homenagem ao sapateiro espanhol José Inegues Martinez, morto em 1917, após confronto com as forças policiais de repressão que atacaram os grevistas que lutavam por melhores condições de trabalho, por dignidade e sobrevivência.

 

Fonte: CUT-SP

 

Pesquise