Seminário dos servidores públicos de SP discutirá desmontes e impactos no setor

Atividade ocorre nos dias 29 e 30 de setembro e será realizada pela CUT-SP

Diante dos desmontes praticados contra o Estado e as reformas do governo ilegítimo de Temer, a CUT-SP realiza nos dias 29 e 30 de setembro, a partir das 9h, o Seminário do Funcionalismo Público de São Paulo. O encontro, que também irá discutir a estruturação do Macrossetor do Serviço Público em São Paulo, será no auditório da Apeoesp (Praça da República, 282).

Na programação, os participantes irão debater a situação econômica brasileira, com o congelamento dos investimentos públicos por 20 anos, as privatizações e a reforma Trabalhista, que entrará em vigor dia 11 de novembro, e que, juntas, trarão impactos negativos para toda a população que depende dos serviços públicos em áreas como educação, saúde, transporte e segurança.

“Queremos organizar e articular as ações do serviço público no estado de São Paulo e contribuir para o fortalecimento desse segmento dentro da nossa Central, quer seja na atuação da luta conjunta contra os governos, bem como nas nossas ações que irão ocorrer no próximo período”, afirma Douglas Izzo, professor e presidente da CUT-SP.

A atividade faz parte do calendário de lutas das centrais e demais entidades sindicais do serviço público que compõem o Fórum do Funcionalismo Público de São Paulo. Entre as ações, também haverá uma paralisação e ato conjunto dos servidores no dia 27 de outubro, véspera do dia do Servidor Público.

O seminário é destinado aos dirigentes sindicais do ramo público das esferas municipal, estadual e federal. Para participar, é preciso fazer inscrição prévia, encaminhando a ficha (clique aqui) até o dia 27 para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Serviço
Seminário do Funcionalismo Público de São Paulo

Dias 29 e 30 de setembro
A partir das 9h
Praça da República, 282 – Apeoesp
Clique aqui para baixar a programação e a ficha de inscrição

 

Fonte: CUT

Pesquise