Proposta de gatilho salarial nem chegou a ser discutida por dirigentes sindicais

A pauta que a CUT e as demais centrais sindicais levarão a presidenta Dilma é a pauta da classe trabalhadora e não a dos rentistas, que querem aumento de juros e mais lucros

Por Marize Muniz


A proposta de criar um gatilho salarial como forma de combater a inflação nem chegou a ser apresentada na reunião da CUT, das demais centrais sindicais e do MST realizada nesta terça-feira (25), em São Paulo, como chegou a ser noticiado.
Durante a reunião, que decidiu pela realização de uma grande manifestação, com greves, paralisações e atos em todo o país no dia 11 de julho, para ancorar a pauta dos trabalhadores e das trabalhadoras e as bandeiras que vieram das ruas nas manifestações realizadas nas últimas semanas, os dirigentes consideraram que o recado que veio das ruas foi claro: o povo quer participar e não admitirá mais políticos que não os representam de forma democrática, querem participar da construção de políticas públicas.
O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, foi o único que fez uma leve menção ao tema inflação que, para ele, teria contribuído para levar o povo às ruas.
O presidente da CUT, Vagner Freitas, discordou. Para o dirigente CUTista, em nenhum momento das manifestações surgiu este tema porque os índices de inflação atualmente estão até menores do que no ano passado.
“Isso é discurso de rentistas, que querem aumento dos juros para ganharem mais. Aumento de juros só interessa a banqueiros. Agora, vamos dar as mãos a banqueiros?”, questionou Vagner.
A análise que Vagner fez das manifestações é a de que a insatisfação das pessoas é com políticas públicas de qualidade, em especial nas áreas de educação, saúde e transporte públicos de qualidade. Ele criticou a disputa de “agendinhas”, a partidarização do debate, as tentativas de levar vantagens para aparecer na mídia. “Com isso, a CUT não tem acordo!”.
O povo quer mudança de comportamento, não vai tolerar mais disputa de “pautinhas pequenas”, encerrou o presidente da CUT.     
O acordo entre todas as centrais sindicais  (CTB, Força, UGT, CSP/Conlutas, CGTB, CSB  e NCST), e o MST foi a realização das manifestações no dia 11 de julho e a entrega à Dilma na audiência desta quarta-feira (26) da seguinte pauta:
1 – tarifa de transporte coletivo subsidiada
2 – investimentos em saúde, segurança e educação
3 – o fim do projeto de Lei 4330, apresentado como uma proposta de regulamentação da terceirização mas que, na verdade, é uma reforma trabalhista que precariza ainda mais as relações de trabalho
4 – o fim dos leilões do petróleo
5 – o fim do fator previdenciário
6 – redução da jornada para 40 horas semanais sem redução de salário

Pesquise