Base governista ignora servidores e Câmara não encaminha discussão sobre o Abono

Na manhã desta quarta-feira, 6, diretores do SINDSERV e trabalhadores de vários setores de nossa categoria marcaram presença durante a Sessão da Câmara Municipal para cobrar um posicionamento dos vereadores e exigir que pressionem o prefeito a pagar o já tradicional Abono de Natal. O apelo dos trabalhadores foi para que o governo municipal, que tem ampla base de apoio no Legislativo, cumpra, ao menos, com uma parte de seus compromissos de campanha, e garanta o pagamento do abono da forma como está em nossa pauta de reivindicações da Campanha Salarial.

No começo do mês de novembro, retomamos esta pauta e iniciamos uma campanha para "sensibilizar" o governo. Porém, apesar de toda mobilização da categoria, a Administração manteve o silêncio e não respondeu à nossa justa reivindicação.

"A situação em que o servidor se encontra é calamitosa, não tem outra palavra. (...) Então, acredito que esta casa (Câmara Municipal), o Prefeito e a Administração deveriam olhar com mais carinho para o servidor. Hoje, nós estamos aqui para reivindicar o Abono de Natal, benefício que é concedido há mais de 30 anos", disse, José Rubem, Presidente do SINDSERV. Quanto às afirmações de que estaria faltando dinheiro para atender as reivindicações da categoria, o presidente foi enfático: "Nós, servidores, não podemos pagar o pato por uma crise que está sendo agravada por más gestões".

José Rubem falou, também, sobre o descaso que a atual gestão tem com o funcionalismo público e das condições precárias em que os trabalhadores desempenham as suas atividades.

VEREADORES IGNORARAM APELOS

Os vereadores que representaram a base governista na resposta à intervenção do presidente do SINDSERV, se limitaram a dizer que "falta dinheiro" ou que a culpa é da crise. A exceção foi a representante da bancada do PT, vereadora Ana Nice, que defendeu as reivindicações dos servidores.

Mesmo tendo devolvido R$ 14,5 milhões da Câmara aos cofres do Executivo, valores que seriam mais que suficientes para atender nossa reivindicação, nenhum vereador sugeriu, sequer, tentar estabelecer um diálogo com o prefeito sobre a questão do Abono.

"É lamentável ver esta subserviência do Legislativo ao Executivo. Eles nem tentam disfarçar. Antes, ao menos, éramos recebidos em reuniões com os vereadores, que enviavam representantes para buscar negociações com o Executivo. Agora, simplesmente dizem que não tem, que a culpa é da crise e os trabalhadores que se virem", desabafou o Seu Liro, membro do Comitê dos Aposentados.

A diretora de Organização de Base do SINDSERV, Eva Menezes, também denunciou o descaso com que a categoria foi tratada na Câmara: "A gente sempre acredita que aqueles que fizeram tantas promessas se comprometam com o que falaram. Tem sido difícil acreditar nisso quanto ao Executivo, mas nós esperávamos que muitos desses vereadores que tiveram apoio e votos de centenas de famílias de servidores, honrassem com suas palavras e, no mínimo, se engajassem em intermediar um diálogo produtivo com a Administração. Sinceramente, todos sabemos que não falta dinheiro, o que falta é vontade política".

Pesquise