Prefeito desrespeita servidores e diz que não pagará Abono de Natal

0 de abonoNa noite desta quarta-feira, 13, o prefeito Orlando Morando (PSDB) utilizou as redes sociais para anunciar que NÃO VAI PAGAR O TRADICIONAL ABONO DE NATAL PARA OS SERVIDORES.

Mais uma vez, o pretexto é a "crise econômica vivida na prefeitura" e a suposta dívida herdada da administração anterior. Ou seja, na opinião e na ação do prefeito, nós, trabalhadores, temos que pagar por uma crise que não foi gerada por nós!

Talvez, o que ele ainda não tenha compreendido é que milhares de famílias, boa parte eleitoras dele, acreditaram nas promessas de valorização dos servidores. Mais que isso: não tem o conhecimento da tradição criada em torno desse abono e quanta diferença ele faz nas mesas de grande parte dos trabalhadores nas festas do final de ano.

DINHEIRO TEM. O QUE FALTA É VONTADE POLÍTICA.

Os estudos realizados pelo SINDSERV durante a Campanha Salarial demonstraram que a economia da cidade cresceu 2,8% e a dívida ativa caiu 1% em 2016.

Além disso, todos sabemos que uma única empresa de marketing recebeu mais de R$ 7 milhões em dez meses de governo! Será que havia necessidade de se gastar tanto com publicidade e autopromoção do prefeito?

Se não dá para tirar do marketing, porque não evitou, como prometeu na campanha, que casos de corrupção fossem denunciados logo no primeiro ano de sua "gestão"? Será que o dinheiro do nosso Abono não poderia ter saído dos salários dos comissionados fantasma?

Ou ainda, se o prefeito tivesse comprado feijão no mercadinho da esquina (R$3,10 o kg) ao invés de ter pago R$ 5,65 o kg (no atacado, para 100 mil kg), uma diferença de 82,3% a mais, conforme denúncia de jornal regional, será que não teria sobrado recurso para valorizar os servidores?

Para quem se apresentou como "gestor", trabalhador e defensor dos servidores, as coisas começaram muito mal.

Pesquise