Em planejamento, direção reafirma compromissos com a luta em defesa do serviço público

Resultado do encontro, que aconteceu na terça-feira, 30, será o norteador das ações em 2018. Foco será no trabalho de base e na defesa dos direitos dos trabalhadores, da democracia e do serviço público de qualidade.

A Direção do SINDSERV se reuniu durante todo o dia 30 para planejar as ações de 2018. O encontro começou com uma análise de conjuntura, feita pelo economista Luiz Carlos Berbel, que abordou os aspectos internacionais, nacionais e municipais dessa nova etapa da luta de classes. Profundo conhecedor do orçamento municipal, Berbel apontou elementos que serão fundamentais na elaboração de nossa pauta de reivindicações da Campanha Salarial.
Em outro momento, diretores debateram e construíram as propostas de ação para cada uma das secretarias e dos departamentos da entidade, com foco na organização de novas metodologias, especialmente no trabalho de base. Também destacaram a importância da luta em defesa dos direitos da classe trabalhadora, ameaçados pela proposta de reforma da Previdência, que pode ser votada no dia 19 de fevereiro, e pela concretização do desmonte da legislação trabalhista. Outra preocupação da direção é em relação ao evidente estado de exceção que vem se instalando em nosso país, com a perseguição e punição de lideranças e lutadores do povo. Na avaliação do SINDSERV, é preciso que todos os que têm compromisso com o bem comum se comprometam com a luta em defesa da democracia. 

SERVIÇO PÚBLICO É O PRINCIPAL AFETADO
As ações do governo ilegítimo de Temer, que cumpre o papel de “gerente” dos interesses do grande capital, têm como um dos principais alvos o serviço público. As privatizações e a terceirização sem limites abriram caminho para que empresas passem a controlar o patrimônio público, através de aquisições, ou de simplesmente receber milhões com a terceirização, que com a nova lei poderá afetar todos os setores da administração pública.
Além disso, o congelamento dos investimentos públicos por 20 anos, o aumento do desemprego e o fim de direitos trabalhistas vão gerar um verdadeiro caos no setor. Haverá um inevitável aumento da demanda, uma vez que, por exemplo, quem perdeu convênios médicos, passará a utilizar o SUS, ou ainda, quem tinha os filhos em escolas particulares, será obrigado a matriculá-los nas públicas. Para o presidente do SINDSERV, José Rubem, “Esse efeito dominó do caos se alastrará e atingirá todos os setores do serviço público, sem que os governos possam gastar um centavo a mais do que o que foi gasto em 2017. Já podemos imaginar o resultado de tal irresponsabilidade em 2037”. 

É POSSÍVEL REVERTER ESSA SITUAÇÃO
Para que este anunciado cenário de caos não se aprofunde e se concretize, não nos resta outra alternativa: temos que lutar. “Temos que estar unidos a toda a classe trabalhadora para enfrentar este desmonte de nossos direitos. Por isso, é imprescindível que os servidores de São Bernardo estejam nas fileiras das lutas contra a reforma da Previdência, pela revogação da nova legislação trabalhista e pelo fim da lei que impôs o congelamento de investimentos públicos por 20 anos”, defende o presidente José Rubem. “Somado a essas lutas, vamos construir uma grande campanha salarial e exigir que o prefeito cumpra com suas promessas de campanha e valorize os servidores. Nós não podemos e não vamos pagar o pato da crise criada por eles”, conclui o presidente. 

NOVA ETAPA DE LUTA EXIGE NOVAS AÇÕES
A conclusão do encontro, que contou com saudações especiais do presidente estadual da CUT, professor Douglas Izzo, e dos dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Caramelo e Aroaldo, é de que este novo momento vivido pelos trabalhadores se reflete diretamente nas vidas dos servidores públicos de São Bernardo. Por isso, a diretoria do SINDSERV optou por uma nova forma de organização do trabalho em 2018, com uma ação muito mais concentrada no trabalho de base, no diálogo direto, na conscientização e na organização da categoria.

Para a secretária geral do nosso Sindicato, Vivia Martins, o planejamento cumpriu com seu papel e garantiu a construção coletiva dessas novas propostas de ação: “Esta oportunidade de reunir todos os diretores, com uma dinâmica que garante a participação efetiva de todos no debate, percebemos que há saídas inteligentes e viáveis para nossos dilemas através da troca de experiências e de visões sobre como fazer. Este planejamento cumpriu com este objetivo e as propostas estão prontas para ser executadas. Tenho certeza de que a categoria perceberá estas mudanças”, concluiu Vivia.

Pesquise