Insegurança e abandono no CREC Baetinha

Ausência de trabalho educativo leva risco a frequentadores e profissionais na piscina do CREC Baetinha

piscina cheiaA inexistência de uma política eficiente de educação social por parte da atual gestão de nossa cidade tem levado riscos aos trabalhadores e frequentadores e da piscina do CREC Baetinha.

"Não é de hoje que estamos alertando sobre estes riscos e os gestores não tomam medidas concretas", denunciou um trabalhador, que não será identificado para que se evitem as recorrentes perseguições a quem se levanta contra os equívocos do governo municipal.

Segundo relatos, crianças e jovens têm ocupado irregularmente a piscina, causando superlotação e riscos de afogamento. A única medida adotada nestes casos é a convocação da GCM para retirar os "invasores", o que obviamente não será capaz de solucionar o problema. Para piorar, um dos servidores do equipamento foi ameaçado por homens que o acusaram de ter chamada a Guarda.

O SINDSERV já havia encaminhado ofício com os relatos dos problemas e pedido de solução em 2018. Em contato telefônico com a Administração, fomos informados que grades serão instaladas e que a GCM fará plantão no local.

Para o diretor Célio Vieira, estas medidas minimizam as dificuldades, mas não serão capazes de solucioná-las: "Nossos jovens e crianças não precisam de mais grades, mas de ações educativas capazes de fazê-los perceber que o espaço público requer respeito e que as regras existem para garantir a segurança e o direito de todos".

Pesquise