Após aumento de 61% para comissionados, Orlando Morando corta em 10% despesas da Prefeitura

orlandoO prefeito Orlando Morando (PSDB) publicou, no NM de 15 de fevereiro, decreto (20.681) cortando em até 10% despesas e contratos da Prefeitura de São Bernardo do Campo. O curioso é que essa medida vem uma semana depois de ele ter dado aumento de até 61% para funcionários comissionados (cargos de confiança/indicação política).

O gestor Orlando Morando considera, no decreto que publicou, necessário realizar ajustes nas despesas de cada uma das 19 secretarias de governo, considerando como motivos para o "contingenciamento de despesas" a necessidade de equilíbrio entre receitas e despesas, a adoção de uma conduta pautada pela responsabilidade fiscal, a queda da arrecadação municipal, a queda de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 2019 e o compromisso de manter em dia o pagamento dos servidores municipais, fornecedores e demais obrigações legais.

Mas, segundo as próprias leis aprovadas pelo prefeito, isso não foi levado em consideração quanto ele criou, por exemplo, duas gratificações para comissionados: uma de 21% e a outra de 61% para o cargo de Assessor de Governo, cujo salário de R$ 6.533,60 passaria a ser, respectivamente, R$ 7.918,06 e R$ 10.523,01.

O polpudo índice de gratificação a comissionados contrasta com o acúmulo de perdas salariais imposto por Orlando Morando para os servidores públicos de São Bernardo do Campo, com o reajuste de 20% dos planos Especial e Intermediário do Imasf, a imposição de 30% de coparticipação em todas consultas e exames e a cobrança de mais R$ 5,00 mensais por dependente do PFGB.

O presidente do SINDSERV, José Rubem, disse que, durante a campanha eleitoral de 2016, Orlando Morando prometeu valorizar os servidores, mas agora paga com desrespeito e arrocho salarial. "Retira da direitos, impõe regras absurdas no plano de saúde e aplica aumento abusivo da tarifa de ônibus, novamente impactando o orçamento das famílias", disse.

 

Fonte: ABCD Maior

Pesquise