Tiros contra a Educação

O SINDSERV manifesta solidariedade às famílias das vítimas do massacre de Suzano e clama por mais respeito à Educação

tiros na educaçãoOs tiros que vitimaram fatalmente estudantes e profissionais da Escola Raul Brasil, na cidade de Suzano, espalham seus estilhaços nos corações e mentes de todos aqueles que amam a Educação.

A exemplo do que já ocorrera em Realengo (RJ-2011), Goiânia (GO-2017) e Janaúba (MG-2017), o massacre de Suzano atinge um espaço que deveria ser tratado como prioritário e, porque não, sagrado por todos os brasileiros: a escola.

É triste saber que o discurso de ódio e o lobby da indústria de armas levem a manifestações destemperadas de quem vê na solução do problema o aumento do poderio bélico em uma sociedade que, claramente, está doente. Sim, não apenas os atiradores, mas nossa sociedade está doente. E para nós, não há a menor dúvida de que o remédio fundamental para curar esta doença está na Educação Pública, Gratuita e de Qualidade!

Portanto, não podemos deixar de repudiar, veementemente, a declaração irresponsável de um senador da República, eleito por São Paulo, que num momento como este tem a desfaçatez de dizer que a solução para este tipo de terror está no armamento de professoras. Não, major Olímpio, nossas professoras e demais profissionais da Educação não precisam de armas, precisam de bons salários, estrutura, qualidade nos materiais e projetos pedagógicos, respaldo do Poder Público e, acima de tudo, respeito por parte de quem é eleito para proporcionar todas essas coisas, não para defender indústrias da morte que financiam campanhas.

A cada pronunciamento como o desse irresponsável, a cada comentário de ódio nas redes sociais, a cada foto de "arminha", é como se a Educação levasse mais uma rajada de balas.

Pesquise