Contra a opressão, solidariedade!

 

Sindicalizados podem pagar contribuição mensal através de boleto bancário ou cartão de débito. Union e Uniodonto decidem manter atendimento.

solidariedade

A solidariedade de trabalhadores e parceiros do SINDSERV não para de crescer depois que o prefeito decidiu, de maneira autoritária, proibir o desconto em folha das contribuições mensais dos sindicalizados.

Vários servidores e servidoras entraram em contato com nossos diretores ou foram até nossa sede para dizer que querem o direito à organização e autonomia sindical garantidos. Todos manifestaram o desejo de viabilizar a luta, fazendo suas contribuições diretamente à entidade.

OPÇÕES PARA FACILITAR O PAGAMENTO

Diante desta reação da categoria, o SINDSERV contratou serviços bancários que permitirão aos sindicalizados o pagamento de suas mensalidades através de boleto ou de cartão de débito.

Os boletos serão entregues nas unidades ou residências dos sindicalizados e as máquinas de cartão de débito estarão à disposição, à princípio, em nossa sede, mas já estamos trabalhando para que possamos levar esta facilidade aos locais de trabalho.

PRAZO PARA PAGAMENTO ESTENDIDO

A irresponsabilidade da Administração foi tão surpreendente que não houve tempo hábil para que as novas opções de contribuição fossem colocadas em prática dentro do prazo de pagamento. Por isso, nosso Sindicato decidiu estender o prazo para pagamento até o dia 10 de abril.

EMPRESAS CONVENIADAS TAMBÉM APOIAM

Uma das preocupações com a decisão do prefeito era em relação a centenas de famílias que utilizam serviços conveniados exclusivos aos sindicalizados. Algumas das empresas parceiras, como a Uniodonto e a Union já assumiram o compromisso de manter os atendimentos até o julgamento do recurso impetrado pelo Sindicato.

“Quem achou que iria nos asfixiar e calar nossas vozes, mais uma vez se deu mal. O apoio dos trabalhadores e de nossos parceiros chega a nos emocionar. Essa solidariedade e consciência de classe vão nos manter de pé, de portas abertas e na luta”, afirmou o presidente José Rubem.

Pesquise