Feministas vão às ruas no Dia Internacional de Luta das Mulheres para protestar contra a violência

8 de marçoNesta sexta (8), Dia Internacional de Luta das Mulheres, feministas de diversas organizações, sindicatos, coletivos e movimentos da capital paulista vão ocupar as ruas em ato unificado para exigir autonomia e igualdade para as mulheres. A concentração começa às 13 h, na Praça da Sé, de onde saem em caminhada até a Praça Ramos. Haverá também apresentação da batucada da Fuzarca Feminista e intervenções artísticas.

O eixo principal de reivindicações é o combate à violência contra mulheres, negras e lésbicas. O Brasil está em 7º no mundo no índice de assassinato de mulheres e a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo registrou 951 estupros no ano 2012. As mulheres reivindicam maior empenho dos governos municipais, estaduais, federal e também do judiciário no cumprimento da Lei Maria da Penha, além de mais investimentos em programas de combate e prevenção à violência.

Outra pauta central para os movimentos de mulheres é a legalização do aborto. Para garantir a saúde integral das mulheres e a autonomia sobre seus corpos, elas reivindicam que o aborto seja legalizado e incorporado ao Sistema Único de Saúde como medida de redução da mortalidade das mulheres, principalmente das negras e pobres - as que mais se submetem a métodos inseguros de abortamento.

As organizações que convocam o Ato Unificado também têm expressado sua crítica ao uso dos corpos das mulheres como objeto de consumo. As mulheres trazem, ainda, outras reivindicações como: direito ao livre exercício de sua sexualidade e contra a exploração das mulheres pela prostituição; pelo direito a receberem salários iguais pelo mesmo tipo de trabalho; por creches públicas em horário integral e de qualidade; pela divisão dos trabalhos domésticos e de cuidado com a família; pela licença materna-parental; pelos direitos trabalhistas das empregadas domésticas; pelo direito à moradia digna; pela ampliação do acesso à terra e pela democratização dos meios de comunicação.

 

Por Redação - CUT São Paulo, com informações da Organização do 8 de março
Foto: Roberto Parizotti

Pesquise