Quem é o “dono” do Estatuto?

marchaÉ muito comum que a construção de uma lei aconteça nos gabinetes. Com o Estatuto dos Profissionais da Educação, nunca havia sido diferente. Nas edições aprovadas até hoje, os gestores impuseram seus interesses ao conjunto dos trabalhadores.

Em 2010, o SINDSERV decidiu propor algo inédito: que os próprios trabalhadores construissem a lei! Assim, desencadeamos um rico processo de discussões, debates, encontros, Congresso...

Desde o início, a Diretoria do nosso Sindicato afirmou que o processo seria difícil e que as mudanças que todos almejamos não seriam "entregues de bandeja", mas que precisariam ser conquistadas, com muita união, mobilização e responsabilidade.

Assim, construímos nossa proposta, culminando com sua aprovação no Congresso. Ali, o SINDSERV, de novo, alertou: viria a fase mais difícil, quando deveríamos convencer o governo, técnica e politicamente, que nossa proposta é a melhor para a categoria e para a cidade. Foi com este espírito que fomos à Mesa Setorial de Negociações. Porém, nem todos pensavam da mesma maneira, e dois ou três decidiram transformar a mesa em um palco de enfrentamentos político-partidários, atrasando e interrompendo o processo de decisão. Infelizmente, alguns ainda não entenderam que negociar não é impor, nem de um lado, nem de outro. Quem negocia é o Sindicato e quem decide é a categoria, em Assembleia. Vamos defender os interesses da categoria, do coletivo. Quem duvida, basta olhar o passado de nossos dirigentes sindicais e verá que nunca fugimos à luta e nem nos amedrontamos com bravatas. Maturidade é o que alguns precisam.

Acreditamos que podemos aprovar um Estatuto que valorize a categoria, que não é o Estatuto do governo, do sindicato, do grupo A ou B. Podemos aprovar uma lei construída pelos trabalhadores e olhar com orgulho para nossos alunos e dizer: o povo é o dono deste Estatuto!

Pesquise