Processo de decisão foi legítimo e democrático

Desde o momento em que as negociações sobre o Estatuto dos Profissionais da Educação foram retomadas, em maio deste ano, que o nosso Sindicato, através de seus veículos de comunicação e das inúmeras reuniões realizadas, tem afirmado que QUEM NEGOCIA É O SINDICATO, E QUEM DECIDE SÃO OS TRABALHADORES, EM ASSEMBLEIA.

O SINDSERV fez sua parte: distribuiu 6 mil jornais convocando a Assembleia do dia 08, passou com carro de som em todos os bairros, divulgou na internet, enviou 6 boletins eletrônicos, realizou 4 plenárias regionais, disponibilizou mecanismos para que dúvidas fossem tiradas e tentou, até o último momento, negociar a retirada de alguns pontos inaceitáveis da proposta da Administração.

É difícil imaginar que um único trabalhador da Educação não tenha recebido tais informações. Portanto, conforme amplamente avisado, quem se ausentou, delegou o poder de decidir a quem foi à Assembleia.

Historicamente, os resultados de assembleias costumam refletir, exatamente, o pensamento da maioria. Assim, é muito provável que mesmo que todos os trabalhadores da Educação tivessem comparecido, a diferença percentual teria sido a mesma.

 

ENTENDA A DIFERENÇA

O que ocorreu no dia 08 não foi consulta, foi Assembleia. As coisas são diferentes, cada uma tem um caráter jurídico diferenciado. A Justiça e o nosso próprio estatuto impõem algumas normas jurídicas para validar as decisões tomadas por trabalhadores. Neste caso, somente a Assembleia tem o poder de decisão.

Todos devem lembrar que em março realizamos uma pesquisa ampla, em todas as escolas, na sede do SINDSERV e no nosso site. Porém, ela somente é aceita como consulta, não como decisão.

Por isso, enquanto alguns fazem abaixo-assinado contra uma decisão legítima, o SINDSERV propõe um abaixo-assinado pela equiparação salarial dos professores substitutos, mudança de referência dos Coordenadores Pedagógicos e cumprimento do Estatuto vigente!

Pesquise