Denúncias de assédio moral aumentam em 2017

O assédio moral caracteriza-se por condutas que evidenciam violência psicológica contra os trabalhadores, e essas práticas estão cada vez mais presentes na nossa vida profissional

O ambiente de trabalho dos servidores públicos nem sempre é pautado por relações sadias, construtivas ou onde se prevaleça o senso de trabalho em equipe. Nem mesmo a estabilidade dos empregos públicos impede situações de assédio moral contra os trabalhadores. O SINDSERV está recebendo um número alarmante de denúncias, e os setores com números mais expressivos são a Educação e a GCM.

O assédio

Difamações, abusos verbais, agressões, perseguições políticas, excesso de trabalho e alterações e transferências injustificadas de local de trabalho são exemplos de assédio moral que os trabalhadores vem sofrendo no exercício de suas funções, e isso pode causar danos psicológicos e até físicos, como doenças devido ao estresse causado pelo assédio. Em situações mais extremas, tais abusos ocorrem inclusive nos processos disciplinares instaurados contra os servidores, desrespeitando até mesmo o direito de defesa.

A configuração do assédio moral é o ato repetitivo, ou seja, é caracterizado por ações reiteradas do assediador. Portanto, devem-se diferenciar acontecimentos comuns e isolados que ocorrem nas relações de trabalho, como uma "bronca" eventual do chefe, das situações que caracterizam assédio moral. "Se constantemente a pessoa sofre humilhações ou é explorada, aí sim temos assédio moral", explica Célio Vieira, Diretor de Assuntos Jurídicos e Comunicação.

O Superior Tribunal de Justiça já abordou o tema de assédio moral no serviço público, por ser considerado como ato de improbidade administrativa. É notória a necessidade da Administração Pública rever e orientar as tratativas de seus membros uns com os outros.

Cadeia de Assédio

Além dos superiores hierárquicos, é comum os pares terem atitudes de humilhar seus colegas. Por medo, algumas pessoas repetem a atitude do chefe, humilham aquele que é humilhado ou ficam em silêncio quando vêm uma situação dessas.

Situações para ficar alerta no trabalho

1. O limite da brincadeira

Brincadeira tem humor sadio e deve ser divertido entre as pessoas envolvidas. Já o assédio, tem abordagem intimidadora, normalmente com o objetivo de diminuir a pessoa e também destruir sua autoestima e confiança.

2. A situação te incomoda?

É importante estar atento e perceber quando alguma atitude começa a incomodar. Isso é diferente para cada pessoa, portanto, não há regra. A forma de identificar assédio é o desconforto que isso te gera.

3. O ambiente é ruim para trabalhar?

Muitas vezes o ambiente fica insalubre e cruel, a vontade de ir para o trabalho desaparece. Nesse caso, repense sua situação na empresa, vale conversar com colegas que possam estar na mesma condição, planeje e haja de forma que isso não continue. É difícil e gera medo, mas é preciso coragem.

4. O assédio resulta em queda no rendimento

As situações vão deixando a pessoa pensar que não sabe fazer bem o que ela sempre fez, isso mexe com as convicções e gera falta de vontade. Isso causa um dano silencioso, que pode levar à depressão e síndrome do pânico.

5. A síndrome do pequeno poder

Observar a forma como a chefia age em relação aos trabalhadores também ajuda a identificar o problema. O assédio se dá, normalmente, com base em posição ou relacionamentos privilegiados, que valide algum tipo de coerção.

6. O medo de sofrer julgamento

Quando é algo que constrange, surge também o receio de dizer a alguém e ser desacreditada. Essa dúvida já é sinal de assédio. Se abrir com alguém de confiança pode ajudar.

7. A violência psicológica e os seus reflexos na Saúde

Na medida em que a pessoa vai aturando a situação, está se corrompendo e tem a autoestima destruída. Isso faz com que comece a se sentir mal, inclusive com ela mesma. Causando até redução da imunidade e fazendo com que fique vulnerável a outras doenças, como infecções. Fora as questões psicossomáticas que têm relação com depressão e podem gerar problemas sérios.

A defesa do trabalhador municipal

Como não há observância por parte da Administração Pública para evitar qualquer tipo de assédio moral, seja nas relações diárias no ambiente de trabalho, seja nas sanções oriundas de processos disciplinares, o SINDSERV encampará, de forma ainda mais incisiva, esta luta.

Assim, a partir das atividades da Semana do Servidor, iniciaremos uma campanha contra o assédio moral.

Lei precisa sair do papel e ser aplicada pra valer!

Na Campanha Salarial de 2013, uma antiga luta do SINDSERV foi, finalmente, vencida: a Lei Contra a Prática do Assédio Moral no Serviço Público.

A promulgação desta Lei deve ser tratada como uma grande vitória de nossa categoria! Porém, na prática, especialmente nesta nova gestão, o dispositivo legal não tem oferecido condições de enfrentar a prática do assédio moral. Por isso, vamos exigir que a Lei seja implementada e que a Administração assuma sua responsabilidade no combate a esta prática.

Nosso Sindicato não admite que trabalhadores continuem sendo submetidos a situações vexatórias, levadas, muitas vezes, a desenvolver doenças por conta do assédio.

Pesquise