Em defesa dos servidores e do serviço público de qualidade

Prefeitura anuncia retorno das aulas presenciais e coloca alunos e profissionais da educação em risco

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Dando mais uma prova de que coloca a saúde dos servidores da Educação em segundo plano, a Prefeitura de São Bernardo anunciou nesta sexta-feira (07/05) o retorno das aulas presenciais nas escolas municipais. De acordo com live apresentada pelo prefeito, as atividades em sala de aula serão retomadas a partir do dia 17 de maio. O anúncio veio carregado de falas que comprovam a falta de preocupação da administração com o principal bem do funcionalismo e, consequentemente, dos próprios alunos: suas vidas.

Segundo o chefe do Executivo, o retorno ocorre porque o município apresenta 66% de ocupação dos leitos de UTI e 44% de enfermaria. “Não há risco de alta letalidade (dos alunos)”, argumentou o prefeito. É importante lembrar que a taxa de ocupação de leitos além de não ser um parâmetro coerente não deve ser colocada em primeiro lugar. A Organização Mundial de Saúde recomenda que sejam considerados outros indicadores como: redução de 50%, ao longo de três semanas, na incidência de casos confirmados e taxa de menos de 5% de testes positivos da doença além da queda de mortes entre casos confirmados por três semanas.

A contradição é ainda maior quando questionado por pais a respeito do risco de contaminação dos alunos na retomada. “Não existe vacina para criança (contra a COVID-19) ainda no mundo”, disse. “Ainda existe preocupação por parte dos pais, mas precisamos recomeçar”, completou.

PLANO DE RETORNO – No plano apresentado durante a live, as aulas serão retomadas com capacidade de 35% dos alunos matriculados, de forma presencial uma vez por semana. A respeito da vacinação de todos os profissionais da Educação, o prefeito mais uma vez foi na contramão do seu próprio discurso de semanas atrás. Questionado sobre a vacinação dos profissionais do Magistério, afirmou que o município entrou na Justiça para vacinar todos os profissionais da Educação, mas com a negativa recebida, decidiu pela retomada das aulas.

“Estamos aplicando a segunda dose (acima de 47 anos para professores e professoras). É uma tranquilidade, é onde tem a maior letalidade. Abaixo de 47 anos, pode ocorrer (morte), mas é muito menor o risco”, finalizou. São todas falas preocupantes, que não colocam o respeito à saúde e à vida em primeiro lugar. A fala também demonstra total insensibilidade com os servidores que já perderam a vida atuando durante a pandemia. Ao longo dos últimos meses o Sindserv SBC vem divulgando mortes de funcionários públicos que atuavam mesmo sob a pandemia, mas que, sem vacina, acabaram falecendo.

Vale ressaltar que a administração recorreu ao STF (Superior Tribunal Federal) com o objetivo de derrubar a liminar obtida pelo Sindserv SBC para garantir que as aulas ocorressem de forma remota até que todos os profissionais da Educação estivessem vacinados. Assim, sempre houve tentativas sistemáticas por parte da prefeitura de retomar as atividades no ensino público municipal. O sindicato realizou todos os recursos possíveis no STF e, atualmente, aguarda recurso ordinário do Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

Deixe um comentário