Em defesa dos servidores e do serviço público de qualidade

Prefeitura é investigada por corrupção

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Corrupção na PMSBC

Foi pedida a prisão preventiva do secretário de Gestão Ambiental, um diretor e um chefe de seção, acusados dos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e concussão. Suspeita é que os crimes ocorrem desde o início da administração de Orlando Morando, que se diz “surpreso”.

Corrupção na PMSBCDez mandados de busca e apreensão foram deflagrados na manhã desta terça-feira (31), em São Bernardo, dentre eles, na Secretaria de Gestão Ambiental e na residência do secretário, o vereador licenciado Mario de Abreu (PSDB).

O tucano é acusado de receber propina. O diretor do Departamento de Licenciamento e Avaliação Ambiental, Sergio de Sousa Lima, e o chefe de seção de Fiscalização Ambiental Tiago Alvez Martinez, também foram alvos da operação e são acusados dos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e concussão.

Existem rumores indicando a existência de negociações envolvendo liberações de licenças ambientais, porém, tais especulações não são confirmadas oficialmente até o momento, uma vez que investigações estão em segredo de Justiça.

A operação, batizada de “Barbatanas”, realizada em parceria do Gaeco com o Ministério Público, atinge em cheio a administração tucana do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), que se disse “surpreso” com a denúncia e anunciou a exoneração do secretário e dos assessores.

A suspeita é de que esquema de corrupção funcione desde o início do governo tucano de Orlando Morando.

A 12ª Promotoria de Justiça de São Bernardo informou que houve o pedido de prisão preventiva de todos os envolvidos, mas a solicitação foi indeferida e o Gaeco já recorreu.

A operação contou com o apoio de dez promotores de Justiça e efetivo de 20 policiais do GOE (Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil) e dez viaturas da polícia.

Ainda de acordo com o Ministério Público, os denunciados foram devidamente citados, notificados e intimados, em especial, quanto ao afastamento dos cargos, além de outras medidas cautelares como a proibição de contato com testemunhas e vítimas e a necessidade da entrega de passaportes.

Ao todo foram apreendidos cerca de 19 computadores, oito aparelhos de celulares, diversos pendrives, além de inúmeros documentos.

Com informações da Revista Fórum

Deixe um comentário